Portal CREA-SP – Notícias – Engenharia Civil: obras clandestinas representam grandes desafios

Fiscalização tem atuado para eliminar as irregularidades



A Câmara Especializada de Engenharia Civil (CEEC) do Crea-SP está desde agosto sob o comando do seu coordenador-adjunto, o Eng. Civ. Ivam Salomão Liboni, por conta do licenciamento da coordenadora, Eng. Civ. e de Seg. Trab. Cláudia Aparecida Ferreira Sornas Campos. Na avaliação de Liboni, obras clandestinas representam os desafios mais comuns na área da Engenharia Civil. “São aquelas feitas por gente que acha que não é preciso ter um responsável técnico pela construção e vão tocando”, afirmou.


O engenheiro estimou que mais de 80% das obras clandestinas estão localizadas na periferia das cidades, em favelas e outros lugares em que até a própria presença do Estado brasileiro, com serviços como o de policiamento, é escassa. “Podem ser locais fisicamente inacessíveis e até perigosos para a atuação dos fiscais. Mesmo assim, o Crea-SP se empenha em ser atuante para coibir as práticas ilegais. A fiscalização tem trabalhado para tentar eliminar as irregularidades”, garantiu.


O coordenador ressaltou que, muitas vezes, a ilegalidade só é flagrada após a ocorrência de um sinistro. “Foi o que se deu quando um enorme reservatório de água que estava desativado numa obra de demolição rolou por um morro em Diadema, na Grande São Paulo, em frente a um conjunto de prédios de moradia. O desastre aconteceu no final de agosto de 2020 e causou prejuízos com danos a carros, rachaduras em edificações próximas e interrompeu o abastecimento de água e energia elétrica da população do entorno”, enumerou.


Uma das punições aplicadas foi a suspensão do registro, por parte do Crea-SP, dos engenheiros e técnicos responsáveis pela demolição da caixa d’água.


Passo a passo do processo


A maioria dos processos que chegam à CEEC trata de profissionais e empresas. Mas, segundo Liboni, há também as ocorrências relacionadas aos cursos de Engenharia. “A faculdade qualifica, dá conhecimento ao profissional. Mas quem o habilita a exercer a profissão é o Conselho e, para isso, a escola também precisa estar devidamente registrada como capacitada a formar o profissional. Depois, o próprio formado precisa ter sua habilitação no Conselho de Engenharia e Agronomia” detalhou. 


Recebida a informação sobre uma suspeita de irregularidade, o Conselho abre um processo administrativo. As denúncias de fatos que se dão na área da Engenharia Civil são encaminhadas para a CEEC. Na Câmara, o processo é instruído pelos assistentes técnicos, que preparam o resumo do que aconteceu e juntam ao texto a legislação pertinente ao assunto para facilitar a análise do caso. O passo seguinte é o encaminhamento do processo a um dos conselheiros da Câmara ou, eventualmente, dependendo da dimensão e da gravidade da questão, para uma comissão de conselheiros.


“Quando é o caso de um profissional, o processo costuma ir para um só conselheiro. Ele normalmente tem um mês para tomar conhecimento, fazer o relato e dar o seu voto sobre o que foi constatado. Quando é algo que a fiscalização trouxe sobre uma empresa ou uma escola, a questão pode seguir para o exame de uma comissão própria. O parecer é uma análise do processo com todas as considerações do que foi verificado pela fiscalização, culminando com o voto do conselheiro ou da comissão sobre a denúncia. Depois, o parecer é apresentado para o conjunto da Câmara Especializada aprovar ou não o voto do conselheiro, e, decidindo se houve infração, qual a punição a ser aplicada”, descreveu.


Atribuições


O coordenador também fez questão de falar a respeito das atribuições dos profissionais formados. “Nem todos os profissionais, mesmo de cursos similares, têm a mesma atribuição. Isso porque as escolas podem ter matrizes curriculares diferentes entre si. Por exemplo, em Engenharia Civil, algumas têm na grade disciplinas sobre vias navegáveis e portos, ou sobre aeroportos, e outras não têm. Os engenheiros, por consequência, podem ter competências diferentes conforme as escolas que cursaram. Quem verifica essa distinção é o Crea-SP. Por meio da matriz curricular, o órgão identifica por quais tipos de obras ou atividades cada engenheiro pode ser responsável”, esclareceu.


A mesma coisa se dá para empresas. No contrato social, cada companhia discrimina quais são as atividades que se presta a executar. Em função dessas, a empresa precisa ter nos seus quadros engenheiros aptos a realizar e serem os responsáveis pelos diferentes tipos de trabalho. Uma empresa que se propõe a fazer unicamente construção civil só precisa ter engenheiros civis. Mas, se também for executar serviços de Engenharia Elétrica, terá de ter um engenheiro eletricista.



Produzido por CDI Comunicação
Supervisão: Departamento de Comunicação do Crea-SP / SUPGES


Fonte

Mais Notícias

20

mar
Geral

Engenheiro Maicon Nonato Lança Jogo Inovador para Prevenção de Acidentes Domésticos com Crianças

Engenheiro Maicon Nonato Lança Jogo Inovador para Prevenção de Acidentes Domésticos com Crianças Engenheiro Maicon Nonato Lançam Jogo Inovador para Prevenção de Acidentes Domésticos com Crianças Em uma iniciativa pioneira para educar as crianças sobre a prevenção de acidentes domésticos, o engenheiro especialista em segurança ocupacional, Maicon Nonato, está lançando, um emocionante jogo de cartas com a […]