Portal CREA-SP – Notícias – Gestão de riscos e desastres

Papel dos profissionais do Sistema foi destaque em mesa redonda virtual


Com uma mesa redonda transmitida por duas horas pelo canal do Confea no YouTube na quarta-feira, 28 de outubro, a Coordenadoria das Câmaras Especializadas de Geologia e Engenharia de Minas – CCEGM encerrou um encontro de três dias, todo realizado por videoconferência, discutindo a gestão de riscos e desastres e o papel dos profissionais do Sistema. 



Mediada pelo coordenador nacional da CCEGM, Geol. Caiubi Kuhn (foto acima), a mesa redonda teve a participação dos geólogos paulistas Eduardo Soares de Macedo, pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT-SP, e Ronaldo Malheiros Figueira, coordenador do Câmara Especializada de Geologia e Engenharia de Minas – CAGE do Crea-SP, além dos coordenadores desses colegiados em outros estados.


“Viver nas cidades implica estar cercado de riscos o tempo todo. A pandemia do Covid-19 que vivemos hoje é o maior risco que tivemos no planeta nos últimos 100 anos. É a junção de uma determinada ameaça aos danos que ela pode causar à sociedade em geral”, disse Macedo.


O geólogo ressaltou a necessidade de se criar uma cultura de risco. “Só lembramos disso quando temos problemas e aí começamos a buscar soluções. Somos bons em atender desastres, mas deveríamos ser bons em evitá-los, ou seja, na gestão dos riscos. Estamos buscando resolver isso com o nosso trabalho”, disse.



Macedo (acima) destacou pontos como o “mapeamento de riscos para fazer planejamento urbano, fiscalização, recuperação das áreas de riscos, urbanização de favelas e também educação dos moradores para ter uma boa ocupação dos espaços”.


Segundo o geólogo, o papel que cabe aos municípios conforme dita a Lei 12.608/2012, que instituiu a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil, acaba não sendo exercido a contento “por falta de recursos financeiros e de uma equipe técnica robusta, sem profissionais do nosso Sistema e de outras áreas”.


O pesquisador do IPT ressaltou ainda a importância de exercer uma fiscalização para que as prefeituras tenham as pessoas corretas em seus postos. “Quem faz os mapeamentos? Quem cuida da reurbanização? A quem cabem os atendimentos de emergência? Isso sempre envolve geólogos, engenheiros, geógrafos, geofísicos, tecnólogos… No caso das barragens de rejeitos, como tivemos os exemplos recentes de Brumadinho e Mariana – e mais de 700 barragens em Minas Gerais que podem dar problemas – isso envolve também os engenheiros de minas. Ou seja: nossa turma toda envolvida na história da gestão de riscos”, disse.


Cooperação técnica com o MDR


Iniciativa nascida em São Paulo, o recém-assinado acordo de cooperação técnica do Confea com o Ministério do Desenvolvimento Regional – MDR, que tem foco direto na questão da defesa civil, foi destaque durante a mesa redonda.


O acordo tem como objetivo estabelecer protocolos de atuação conjunta permanente, de forma a contribuir para a redução dos riscos e a melhoria da gestão dos desastres naturais e tecnológicos por meio do compartilhamento de informações e da adoção de medidas com o propósito de garantir a proteção civil, a ordem pública e a segurança da população. 



Além de promover a integração entre o sistema profissional e os órgãos de proteção e defesa civil, o acordo fortalece a atuação do Sistema Confea Crea “fora de seus muros” e valoriza os profissionais da área tecnológica no processo de gestão de riscos e desastres, promovendo a implantação do processo de gestão do assunto nos municípios. “Com a ampliação das ações fiscalizatórias, objetivamos uma melhoria na eficácia da gestão de riscos e desastres”, destacou Malheiros (foto acima).


Com vigência de três anos, o acordo assinado em setembro último começou a ser delineado em 2016, considerando a importância de envolver o sistema profissional no trabalho de defesa civil, “não apenas naquilo que já faz parte da rotina das nossas atividades. Por que o Sistema não atua antes; só aparece depois que acontece o problema? Temos que inverter essa ordem”, ressaltou Malheiros.


Segundo o coordenador do colegiado paulista, os grandes executores do plano serão os municípios e os Creas regionais e, para o seu sucesso, é fundamental fortalecer a gestão de riscos em âmbito municipal.


“O município tem que mudar o seu foco na gestão dessas questões. Na Capital, por exemplo, toda a gestão de riscos e desastres está nas mãos da Defesa Civil. Precisamos quebrar esse paradigma de correr atrás de prejuízos e procurar culpados, mudar esse olhar. Não enxergar esse problema somente sob a ótica do desastre.”, disse.


Malheiros destacou ainda a importância da comunicação para todo o processo. “Ao dar publicidade a esse trabalho, despertamos nos profissionais o olhar para a sua participação e a possibilidade de se engajar, o que também implica em ações nossas que promovam a engenharia social”, disse, lembrando que “sem a possibilidade de fazer essas reuniões por

videoconferência, certamente esse acordo não estaria assinado. Isso agilizou os trâmites e economizou recursos do Sistema”.


Na conclusão, o coordenador da CCEGM disse: “Ficou clara a necessidade de termos no Brasil uma gestão pública mais eficiente, que inclua uma gestão de risco preventiva. É um desafio e isso não tem como ser feito sem a participação dos nossos profissionais em iniciativas como essa, que ajudam a evitar perdas de vidas”.


 


Produzido pelo Departamento de Comunicação do Crea-SP

Reportagem: Jornalista Perácio de Melo (DCOM/SUPGES)

Colaboração: Estagiário Vinicius Sarcetta 


Fonte

Mais Notícias

20

mar
Geral

Engenheiro Maicon Nonato Lança Jogo Inovador para Prevenção de Acidentes Domésticos com Crianças

Engenheiro Maicon Nonato Lança Jogo Inovador para Prevenção de Acidentes Domésticos com Crianças Engenheiro Maicon Nonato Lançam Jogo Inovador para Prevenção de Acidentes Domésticos com Crianças Em uma iniciativa pioneira para educar as crianças sobre a prevenção de acidentes domésticos, o engenheiro especialista em segurança ocupacional, Maicon Nonato, está lançando, um emocionante jogo de cartas com a […]